21 de outubro de 2010

De volta aos 15 anos de idade

Estou curtindo meu período de férias do trabalho. Quinze dias de descanso e sem amolações. Já que estou aproveitando as férias, falarei um pouco sobre diversão…

Tenho que confessar que sou fã de alguns jogos de computador. Sim City, Civilization, Ragnarok são especiais para mim. Agora, se o papo for Fallout ou Fórmula 1 então eu volto a ser um garoto de 15 anos de idade.

Fallout: um pouco de história

Conheci o Fallout em 1996 quando ainda estudava medicina na Unicamp. Tratava-se de um jogo em RPG ambientado em um futuro pós-apocalíptico destruído por uma guerra nuclear global onde você assumia a personalidade de um morador de um Vault (o famoso e mitológico Vault 13). Na história (se quiser, clique aqui e veja a introdução do jogo), os Vaults são habitações subterrâneas criadas antes do conflito nuclear para salva as pessoas. Estes Vaults foram lacrados e durante algumas gerações, a humanidade viveria lá até que o planeta se recuperasse do desastre nuclear.

Seu personagem nasceu no Vault e todos seguiam sua vida pacata até que um dia… puff… o chip do computador responsável pela purificação da água utilizada pelo Vault pifou e não existia uma peça de reposição. E a coisa era muito simples e objetiva: sem água… sem Vault.

Você fica sabendo disto quando o supervisor do Vault lhe chama para pedir sua ajuda. Você deveria sair da segurança e tranquilidade do Vault 13 e ir até o Vault mais próximo (o Vault 15) buscar ajuda ou um chip para substituição. Neste link você pode ver no YouTube o xaveco que o supervisor joga em você para sair do Vault.

Armado com uma pistola e uma faca você sai do Vault e descobre que o mundo não acabou totalmente. Sobreviventes de vários lugares recomeçaram suas vidas e você descobre um novo mundo. Ao longo do jogo você descobre que além de encontrar o chip, deverá lutar contra mutantes e facções religiosas e contará com a ajuda de diversos aliados.

O grande barato do jogo é que você pode escolher seu perfil… você poderá ser um herói ou então um vilão. Tudo depende do seu “role playing”. Desta forma, o jogo pode tomar diversos caminhos diferentes e um final não é necessariamente igual ao outro.

fallout1

Quando joguei pela primeira vez eu fiquei no computador por 41 horas ininterruptas… um absurdo! Depois de uma semana eu terminei o jogo e em seguida eu recomecei (desta vez com um personagem malvado…).

No final do mesmo ano eu e meu amigo Gustavo Kawanami compramos o Fallout 2 e vimos o trailer (que na época era de cair o queixo). Ficamos horas e horas neste segundo episódio. Desta vez, a história se passa 80 anos após os eventos originais e você é um descendente do famoso “Vault Dweller” (em uma tradução livre é “Aquele que habita o Vault”) e mora em uma aldeia fundada pelo nosso herói.

O perigo agora consiste na escassez de recursos da aldeia… a caça está diminuindo, a água está acabando e o gado (os “bhramin” são vacas de duas cabeças) está morrendo. Seu trabalho é localizar o lendário G.E.C.K. (Garden of Eden Creation Kit) que é um dispositivo que permitirá a criação de uma cidade auto-suficiente. A única informação de que você dispõe provém de um mercador chamado Vic… e para sua sorte, ele está desaparecido. Neste link, você vê o vídeo onde a líder da aldeia lhe conta sobre isso.

O mundo agora começa a ter uma nova ordem social e política. Humanos, mutantes e ghouls tentam conviver e sobreviver em um mundo repleto de perigos. E ao longo do jogo você descobre que existem conflitos políticos e comerciais que deverão ser resolvidos com muita conversa ou com muita pancada.

falltwo_790screen002 

Pelas telas você pode perceber que a jogabilidade é muito similar nos dois episódios. É claro que ao final do jogo fiquei ansioso por um Fallout 3. Jogo este que demorou mais de dez anos para sair.

A franquia Fallout ficou muitos anos sem uma sequência digna porque a sua produtora (Interplay) faliu. E só depois que a Bethesda comprou os direitos da franquia é que o Fallout 3 foi produzido e lançado.

Eu fiquei babando atrás do Fallout 3 e na ocasião do seu lançamento (2008), meu computador não atendia os pré-requisitos necessários (pedia-se um computador com processador de 2,0 GHz e 1 GB de memória) então a solução foi convencer meu cunhado a comprar o jogo para Playstation 3 (fiz uma campanha de marketing enorme). É claro que era praticamente outro jogo, mas com a mesma filosofia e mesma ambientação. Só depois de um ano é que troquei o computador e consegui o Fallout 3 para PC.

Nesta versão você pensa ter nascido em um Vault (Vault 101) e é filho do médico do Vault. O jogo tem início na ocasião do seu nascimento, passando por alguns episódios da sua infância e adolescência (quando você aprender a andar, a festa de aniversário onde você ganha o seu próprio PipBoy, o exame de aptidão) até que um dia, já adulto, você é subitamente acordado com a notícia de que seu pai fugira do Vault para não ser morto e que agora o supervisor do Vault está atrás de você para matá-lo.

E você nem ao menos sabe o porquê.

Assim, você deve abandonar o Vault 101 e sair por toda Wasteland a procura de seu pai. E nessa procura, muita coisa vai acontecer.

wastelandsupmutant

Para ser honesto, ainda não terminei o Fallout 3 (estou explorando todo o mapa… e isso demora muito). Eu já terminei as missões principais e boa parte do jogo está resolvida.

E por que estou parecendo uma criança de 15 anos? Simples… ontem foi lançado o novo episódio de Fallout… New Vegas. E eu estou doido pra jogar…

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...