30 de março de 2018

Dragon Ball Super... já estou com saudades!

Como vão, amigos? Evitarei Spoilers o máximo que eu puder!

20180401_dragonball

Animes e mangás são um grupo muito especifico de desenhos animados e revistas em quadrinhos de origem japonesa. Essa produção possui fãs pelo mundo todo e, lógico, aqui no Brasil. Dentre os fãs desse tipo de entretenimento, acho que há um consenso quase unânime que Dragon Ball está na lista de preferidos de quase todos. Eu confesso que nunca li um mangá na vida, principalmente porque eram um tipo de revistas muito mais difícil de se encontrar.

Já os animes são outra história! A Princesa Guerreira, Astro Boy, Don Drácula, entre outros, eram um sucesso entre a molecada da minha geração. Mas, num determinado momento da minha vida, amadureci e acabei perdendo o gosto pelos animes. Não que eu tenha deixado a minha criança interior morrer, muito pelo contrário, mas, os gostos mudam.

Por incrível que pareça, num determinado dia chuvoso, no meio da década de 2000 (sim, 2000... não lembro exatamente o ano), estava eu zapeando pelos canais a cabo, numa madrugada, procurando o que me entreter em meio a uma insonia e paro no Canal Cartoon Network e vejo um cara de cabelos pretos espetados, traços ferozes e abobalhados ao mesmo tempo, travando uma luta feroz com um macaco gigante de armadura. Era a batalha final entre Goku e Vegeta assim que ele chega à Terra pela primeira vez... me dei a chance de conhecer aquele personagem e, dali pra frente, foi só ladeira acima! Virei um viciado em Dragon Ball Z!

Os animes foram transmitidos pela TOEI Animation do Japão entre 1986 e 1996, e desde 1996 não havia nada canônico feito sobre Dragon Ball com o envolvimento criativo de seu criador, Akira Toryiama (ignorem Dragon Ball GT, nem Toryiama queria aquilo). Mas, em 05 de Julho de 2015, a TOEI iniciou uma nova Saga da série denominada DRAGON BALL SUPER (Doragon Boru Supa, como diria um autentico japonês). Ela se inicia pouco tempo depois à conclusão da batalha entre Goku e Majin Boo e com 131 episódios, 05 arcos e muita emoção, chegou ao fim nesse último domingo, 25/03, com forte comoção pelo mundo todo. O que faz essa Saga ser canônica e a GT, não? Bom, pelo simples fato dela também ser baseada nos mangás escritos por Akira Toryiama. Sim, o titio Akira iniciou essa Saga nos quadrinhos uns meses antes do inicio da série.

Eu, pessoalmente, estava tão absorto em certas dificuldades e afazeres de minha vida que sequer fiquei sabendo do inicio dessa nova saga; quando descobri que haviam novos desenhos da série, foi em outubro de 2016, e eu comecei a fazer uma maratona enlouquecida para me atualizar até o episódio presente na época.

Fazendo uma coisa que nunca deveria ser feito, mas, como fã é inevitável, eu fiz uma comparação com a Saga Z... e, levando em consideração isso, DBS deixa um pouco a desejar, pois, fica óbvio a necessidade da emissora TOEI em lucrar com a série, já que os mangás estavam em produção a muito pouco tempo, se levarmos em consideração o tempo que se leva para fazer um mangá, além do processo criativo de Toryiama ser relativamente lento, justamente por que ele é muito metódico. Em um determinado momento, um pouco antes da metade da saga, o Anime ultrapassou o Mangá e, se alguém aqui é fã de Game of Thrones, sabe no que isso pode resultar... um descompasso entre criador e produtor. Enquanto o Mangá segue por uma vertente em relação a ambientação e personalidade dos personagens, a animação vai por outro caminho. Mas, ainda assim, não foi mal!

Arcos como A Batalha dos Deuses e Torneio dos Deuses existem, basicamente, para apresentarem novos personagens que serão importantes em arcos futuros, além de apresentar novos níveis de poder, Novos Universos (12 pra ser mais exato) e deixar os fãs mais felizes (além de vender mais bonequinhos); já arcos como O Renascimento de Freeza, Goku Black e o Torneio do Poder, dão aquela dramaticidade à série, onde tememos pela vida dos personagens e vemos batalhas grandiosas.

Ainda assim, fazendo aquela famosa comparação, algumas coisas me deixaram angustiado, pois, tudo que vimos no Dragon Ball Clássico, principalmente na fase Z, como a escalada evolutiva de poderes dos personagens mais bem construída, a sensação de perigo mais eficiente, essas coisas foram muito aceleradas na série. Pouquíssimas vezes senti apreensão real pelo que estava acontecendo, quase tudo foi muito óbvio e esperado. Não entendam isso como uma critica negativa que te desanime a assistir a série, ela ainda é muito boa. Apesar das obviedades como as que mencionei, a execução delas, principalmente as cenas de ação, são extremamente bem feitas. A evolução nos traços e animação são muito grandes e com um pouco de computação digital, fica a cereja do bolo.

[ PONTOS ALTOS ]

  • Eu destaco o arco Goku Black! Todo o arco é bem construído, mesmo sendo nesse ponto em que o anime ultrapassou o mangá, com certeza tem o dedo do Toryiama em tudo. Sem querer dar Spoilers para quem não viu, personagens como Zamasu e Goku Black serão imortalizados como dois dos mais cruéis inimigos de Goku, e vale também para a retomada de Mirai Trunks (Trunks do Futuro) que foi um dos personagens mais odiados na saga GT, nesse arco ele retorna em grande estilo e destaque.
  • Penúltimo e Último episódios da saga (ep. 130 e 131), foram tão legais e emocionantes que valeram por todo o Torneio do Poder. Apresentaram um Antagonista extremamente poderoso, um novo nível de Poder do Goku muito maneiro (mais venda de bonecos) e um aliado extremamente inesperado lutando lado a lado com Goku, além de uma re-aparição inesperada. Não é a toa que foi uma das noticias mais difundidas nas 2 ultimas semanas. Agitaram Youtube, Facebook e foi top trend no Twitter mundial.

[ PONTOS BAIXOS ]

  • A má utilização de personagens, outrora poderosos e importantes na série, que acabaram como simples secundários sem importância, ou esquecidos. Exemplos: Gohan e Piccolo! Um foi idealizado para ser o sucessor de Goku e o outro era o antagonista perfeito de Goku, era a válvula de escape das "vitimas" desprotegidas enquanto Goku não aparecia para salvar a todos. Simplesmente não são mais relevantes, a série se resume apenas à Goku e Vegeta!
  • A forma acelerada com que resolveram quase tudo no anime a partir do momento que ultrapassou o mangá. Batalhas resolvidas rapidamente, poderes adquiridos sem muito esforço e regras estabelecidas convenientemente esquecidas. Tudo para acelerar a conclusão do anime que tinha data certa para acabar, já que eles utilizarão a mesma equipe criativa para fazerem o filme de Dragon Ball: Saiyajins, que será lançada em dezembro, e sabemos como os japoneses são rigorosos com prazos.

Deixando esses detalhes de lado, Dragon Ball mostrou-se, mais uma vez, ser um fenômeno mundial. Poucas coisas agitaram a internet como DBS (inclui-se Game Of Thrones, The Walking Dead ou filmes de Super Heróis). Foram tantas teorias (Gohan Blanco, El Hermano), tantos React no youtube, tantos grupos e discussões sobres os novos poderes e o que aconteceria no final do Torneio do Poder. Chegou ao ponto de ocorrer um atrito entre o Governo Japonês e o Mexicano, pois, nossos amigos latinos colocaram telões em diversas praças publicas pelo país para a transmissão do penúltimo episódio da série, sem autorização da TOEI... o que não adiantou muita coisa, já que para a transmissão do ep. final os telões estavam lá de novo e até em outros países, inclusive o Brasil!

Enfim, o que fazer agora que nesse domingo não poderei mais ver Dragon Ball? Ainda não sei. Aqui no Brasil a transmissão da Saga iniciou em 05 de agosto de 2017, pelo Cartoon Network, mas, em 07 de novembro de 2017, o canal anunciou o fim da transmissão dos episódios inéditos com o episódio 67, iniciando o eterno ciclo de reprises. A possível volta dos novos episódios aconteceria em 2018, mas, por enquanto nada.

Para quem não se importa de ouvir o áudio em japonês (a voz do Goku dublada por uma mulher desde a série clássica me doía os ouvidos, mas, acostumei), existe o serviço de fluxo de média simulcast Crunchyroll, que transmite oficialmente a série aos seus assinantes; e também existem os sites especializados em disponibilizar gratuitamente os episódios, mas, esses não iremos recomendar aqui por motivos óbvios.

Concluindo o assunto, Dragon Ball Super é recomendável para todos os fãs de animes, e, mais ainda, aos fãs de DB. Se você quiser ter uma experiência ainda mais agradável, evite comparações com a saga Z, te fará mais feliz.

Um até mais a todos e divirtam-se.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...