30 de agosto de 2018

Rolling Stones - "Sticky Fingers" (Disco da Semana #36)

Buenas!!!

A resenha de hoje não vai falar de nenhuma novidade (talvez pra mim que nunca tinha me debruçado sobre a obra), pelo contrário, vamos de um dos maiores clássicos da história do rock.

Ah! pode ler sem medo, não vai ter problemas em seu dispositivo. Nessa época Mick Jagger ainda não era pé frio.

20180830_discodasemana_036

Álbum seminal e clássico dos ingleses do Rolling Stones. Tenho a impressão que a partir daqui, eles se tornam uma das maiores bandas do mundo. Vender 3 milhões de cópias nos EUA, vindo de fora, nos anos 70? Desculpa, mas não é pra qualquer um.

Herdeiro direto da instabilidade pós-morte do fundador e guitarrista Brian Jones (o inaugurador do Clube dos 27) e com Mick Taylor tendo a responsabilidade de substituí-lo de maneira definitiva, traz a banda com um núcleo criativo ainda mais diminuto. Agora as canções descaradamente eram criações exclusivas da dupla Jagger-Richards e isso fica evidente com o passar do álbum.

20180830_discodasemana_036_a

Hora elétrico, cheio de levadas blueseiras (que fizeram de Keith Richards um dos mais icônicos guitarheroes mundiais) e distorções orgânicas, coloca o ouvinte para chacoalhar o esqueleto como logo na abertura em "Brown Sugar" e para balançar a cabeça nas faixas mais roqueiras (mas ainda assim com muito groove e malemolência que faz com que eles nem se pareçam ingleses, branquelos e cintura dura. Jagger é um baita herdeiro da tradição da música negra), hora acústico e introspectivo, te leva para outro estado de consciência, paz e calmaria, como em "Wild Horses".

Um disco tipicamente "Stone",  plural e multifacetado, foi grandiosamente bem produzido e mostra a banda em um momento de transição. Tendo um segundo guitarrista a disposição, Keith Richards tem mais liberdade de alçar vôos e se mostrar como o gênio que é. Várias "viagens" guitarrísticas mostra o virtuosismo do inglês sem soar chato (o que é uma tremenda qualidade). Blues, Rock e Country transbordam de seu caldeirão de referências.

20180830_discodasemana_036_b

Tão icônico quanto o  seu conteúdo é a sua capa, criada pelo messias da pop-art Andy Warhol, capa essa que foi brutalmente criticada pelo conservadorismo dos lojistas estadunidenses (crítica essa que fez com o interesse no álbum se tornasse ainda maior).

Uma obra atemporal, soa tão vigorosa hoje como em seu lançamento no longínquo 1971. Não à toa, as principais publicações sobre música coloca esse álbum entre os 200 mais influentes de todos os tempos, ou seja: Imperdível.

Quer conhecer um dos pilares do ritmo que mudou a música no século XX? Pode chegar sem medo e clicar aqui. Consuma SEM moderação, pois esse é mais do que recomendado, é essencial.

Logo menos tem mais.

29 de agosto de 2018

O Zenfone 5 da Asus chegou ao Brasil

Apresentado na MWC no final do mês de Fevereiro de 2018, o Zenfone 5 da Asus chegou ao Brasil no último dia 16/08 e vem com a proposta de ser um intermediário premium com configurações para atender uma faixa de mercado que busca um aparelho de custo acessível, capaz de realizar as tarefas cotidianas sem sufoco.

20180829_review_zenfone5

Apresentado ao mercado brasileiro em evento realizado pela ASUS Brasil em 16/08, a linha Zenfone 5 chega ao Brasil com boas configurações e com uma estratégia de preços bastante competitiva.

Para nossa sorte, a maioria das empresas de tecnologia estão fazendo a apresentação de seus produtos com transmissão simultânea via streaming pelo YouTube. Foi assim com a Motorola e Samsung e felizmente, a Asus seguiu esta mesma tendência…

image

Antes de começarmos a falar sobre o novo aparelho, algumas considerações… a primeira é a respeito do pequeno espaço de tempo entre o lançamento do Zenfone 4 e o Zenfone 5. O primeiro foi lançado em agosto de 2017. O Zenfone 5 teve seu anúncio em fevereiro de 2018. Em um espaço de 6 meses, a empresa lançou uma nova linha de telefones.

Isto mostra que provavelmente o Zenfone 4 não foi tão bem recebido no mercado, ou então ele se mostrou defasado em relação à concorrência. Não que o aparelho fosse ruim (longe disso). O foco principal foi o sistema de câmeras, mas o fato do aparelho ter uma tela 16:9 quando o mercado começa a aderir ao formato 18:9 ou 19:9 talvez tenha sido um fator negativo.

Outro ponto que talvez cause alguma discussão é próprio nome do aparelho. A Asus lançou em 2014 um modelo com o mesmo nome. O Zenfone 5 de 2014 era um celular para um segmento mais básico, então alguns analistas previram que talvez usar o mesmo nome para a nova série talvez fosse ruim para a estratégia de vendas.

Mas a despeito das críticas, a Asus manteve a nomenclatura em continuidade e a nova linha ficou como Zenfone 5 mesmo.

As especificações dos aparelhos já são conhecidas desde o seu anúncio em fevereiro/2018. Restava a dúvida sobre quais modelos seriam disponibilizados aqui no Brasil – incluindo aí a nomenclatura a ser utilizada – e também qual o preço de lançamento.

Então… vamos aos lançamentos:

[ Zenfone Max Pro ]

zenfone_maxpro

Primeiro aparelho anunciado, o Max Pro tem seu foco na autonomia de bateria. Ele vem equipado com o Snapdragon 636 com GPU Adreno 509 e tem versões com 3 e 4 GB de memória RAM.

Seu sistema de câmeras é duplo na traseira. A câmera principal conta com um sensor de 13 MP (ou 16 MP dependendo da versão) com abertura variável de até f/2.0 e autofoco por detecção de fase e Flash LED. Entre seus principais recursos, destacam-se o modo HDR, Paisagem, Retrato e Disparos Contínuos. A câmera secundária está ali para auxiliar em fotos no modo retrato para criar o famoso efeito de fundo desfocado. Seu sensor é de 5 MP.

Já a câmera frontal tem um sensor de 8 MP com ângulo de abertura de 85º e é auxiliada por um LED para selfies (Softlight LED Flash). A câmera também é capaz de realizar desbloqueio do aparelho por reconhecimento de face. De modo semelhante à câmera traseira, ela também conta com modos  HDR, Paisagem, Retrato e Disparos Contínuos.

O sistema de câmera é capaz de gravar vídeos em resolução 4K (câmera traseira) com 30 fps. Também são suportados os modos Full HD (30 e 60 fps)  e HD (30 fps). A câmera também é capaz de tirar fotos enquanto está gravando um vídeo.

O corpo do aparelho é feito em metal e vidro e sua tela é de 6” com tecnologia IPS e na proporção 18:9 com resolução Full HD+ (2160 x 1080 com densidade de 441 ppi). Apesar da bateria de grande capacidade, o modelo não é tão pesado. Apenas 180g.

image

O aparelho tem botões dedicados para ligar e desligar e controle de volume. O sensor de digitais foi alocado para a traseira do aparelho e  ele conta com uma entrada micro USB e um conector P2 para áudio.

Outra boa notícia é que o aparelho conta com slot dedicado para cartão de memória de até 2 TB, além dos slots para 2 SIM Cards.

O grande apelo do modelo é mesmo sua bateria de 5000 mAh. Mais do que suficiente para utilização padrão. O carregador de energia é do tipo fast charge, com 10W de potência e saída de 2A, o que segundo o fabricante é suficiente para carregar a bateria em 2 horas e 42 minutos.

image

Aliás, este aparelho traz outra grande inovação da Asus. É o primeiro aparelho da marca que traz a versão 8.1 do Android, sem nenhuma personalização. Isto mesmo. Android puro sangue.

image

O aparelho será vendido em duas versões. Uma com 32 GB de armazenamento interno, 3 GB de RAM e câmera de 13 MP e outra com 64 GB de armazenamento externo, 4 GB de RAM e câmera de 16 MP. O aparelho estará disponível nas cores Silver, Black e Blue e o preço de lançamento é de R$ 1.399,00.

image

[ Zenfone 5 Selfie & Selfie PRO ]

O destaque para este lançamento são as câmeras. Para estes modelos, a Asus colocou sistema de câmera dupla tanto na traseira como na frontal.

image

O aparelho traz um processador menos poderoso que a versão Max: Snapdragon 430 com GPU Adreno 505 e memória de 4 GB. Já a versão Selfie Pro traz um Snapdragon 630 com GPU Adreno 508. O armazenamento interno é de 64 GB para a versão Selfie e 128 GB para a versão Selfie PRO. Em ambos os casos, há a possibilidade de expansão via cartão micro SD (até 2 TB).

zenfone_selfie 

O sistema de câmeras é a atração destes modelos. Obviamente para uma série que se propõe a ter o nome “selfie”, sua câmera frontal é a melhor. O sistema é duplo, sendo que a câmera principal possui um sensor de 20 MP (Sony IMX376) com abertura de f/2.0. A segunda câmera frontal conta com uma lente wide-angle de 120º com resolução de 8MP. As tecnologias embarcadas receberam o nome de “Pixel Master”, trazendo – entre outras coisas – o modo HDR noturno, embelezamento de fotos, selfie panorâmica, animação GIF e filtros para as fotos. Para vídeos, o sistema frontal permite gravação com resolução de até 1080p@30fps.

As câmeras traseiras contam com um sensor principal de 16 MP com abertura f/2.2 e outro sensor com câmera wide-angle de 120º com resolução de 8MP. A câmera traseira também conta com o Pixel Master. Para vídeos, o sistema é capaz de gravar em Full HD a 60 fps e o modelo PRO ainda conta com gravação em 4K.

O corpo do aparelho é feito em vidro com alumínio, seguindo a tendência dos aparelhos modernos. O corpo do aparelho comporta uma tela IPS de 6,0” na proporção 18:9, com resolução Full HD+ (2160x1080). O aparelho comporta uma gaveta com dois slots para nano SIM, além do slot dedicado para o cartão de memória (micro SD).

image

A bateria é de 3300 mAh com carregamento rápido (carregador de 5V e 1A com potência de 5W na versão Selfie e carregador 5V e 2A com potência de 10W na versão Selfie PRO). Isto deve ser suficiente para o usuário comum, com uma boa sobra de reserva. O Sistema operacional é o Android 7.0 (Nougat) com atualização garantida para a versão 8.0 (Oreo). Sobre o sistema, a Asus implementou a sua interface ZenUI, amada por muitos e odiada por alguns.

Disponíveis nas cores Preto, Vermelho e Branco, a versão Selfie tem preço de lançamento de R$ 1.449,00 e a versão Selfie PRO tem o preço de R$ 1.699,00. Pela diferença de preço, compensa ir diretamente para a versão PRO.

[ Zenfone 5 ]

O Zenfone 5 é considerado o padrão desta geração. E também é a versão que traz o polêmico notch.

zenfone_5

Juntamente com a nova família, a Asus tentou vender o conceito de telefone inteligente, associando-os constantemente à ideia de inteligência artificial. Apesar da linha de aparelhos contar com novas tecnologias, elas não são necessariamente inéditas. A ideia é fazer com que o aparelho “aprenda” com os hábitos de uso referente ao uso da câmera, preferências sobre o display, hábitos de carregamento da bateria e também modos de fotografia.

image

O aparelho conta com um corpo de vidro e metal e tela de 6,2”  IPS+ com resolução Full HD+ (2246 x 1080 na proporção 18,7:9 e densidade de 402 ppi). O processador é um Snapdragon 636 combinado com a GPU Adreno 509. O aparelho conta com 4 GB de memória RAM.

image

O armazenamento interno pode ser de 64GB ou 128GB e o aparelho conta com slot de para expansão de memória. Infelizmente, para o Zenfone 5 a gaveta é híbrida. Isto quer dizer que você deverá optar por dois chips (Nano SIM) ou pela expansão de memória (até 2 TB).

A câmera traseira conta com um sistema duplo de lentes. O sensor principal é um Sony IMX363de 12 MP, com abertura f/1.8 e ângulo de 83º. Ela conta ainda com 4 eixos de estabilização óptica, flash LED, modo Pixel Master e modo Pro com suporte a arquivos de imagem RAW. O sensor secundário é de 8 MP, abertura f/2.0 e ângulo de 120º.

A câmera frontal é de 8 MP com abertura f/2.0 e ângulo de 84º. Conta também com o Pixel Master.

Para vídeos, o aparelho é capaz de gravar vídeos em até 4K UHD em 30 fps (na câmera traseira principal). Além disso ele também pode filmar em 1080p FHD (30/60 fps) ou 720p HD (30 fps) e conta ainda com modos de câmera lenta (1080p em 120 fps / 720p em 240 fps).

Acertadamente, a Asus não deu muito destaque ao notch. Tratou-o como algo que faz parte do aparelho, sem entrar em polêmicas com possíveis comparações com o iPhone X (apelidado carinhosamente de “FrutaFone” pelo Marcel Campos).

image

A bateria do aparelho tem 3.300 mAh e o adaptador de energia tem 9V com 2A e potência de 18W. Teoricamente, é possível executar um carregamento rápido que permite 2 horas de conversação com apenas cinco minutos de carregamento.

O aparelho virá com a versão 8.0 (Oreo) do Android.

O Zenfone 5 estará disponível nas cores Silver e Black com preço de lançamento a partir de R$ 1.999,00.

[ Zenfone 5z ]

O próprio Marcel Campos já tinha dado indícios de que o flagship da Asus viria ao Brasil. E para a alegria dos fãs da marca, o 5z veio com um preço muito atrativo. A Asus definitivamente não veio para brincadeiras.

O Zenfone 5z tem basicamente as mesmas especificações estruturais do seu irmão menor. Mudam o processador (Snapdragon 845 com chip gráfico Adreno 630) e as opções de memória interna e memória RAM:

image

Disponível nas cores Silver e Black, o Zenfone 5z tem um preço bastante interessante: a partir de R$ 2.499,00 (versão 4GB/64GB).

[ Análise do Produto ? ]

Para o UBQ seria muito bacana apresentar uma análise completa do produto. Mas ainda não foi desta vez que conseguimos o reconhecimento da Asus como produtores de conteúdo para conseguir acesso ao aparelho para análise.

Você poderá encontrar análises em diversos canais de tecnologia como Canaltech, Loop Infinito, Tecmundo e About:/blank.

Mas ainda espero que possamos fazer o nosso próprio review… vamos trabalhar para isso!

E o que você acha? A Asus conseguiu se consolidar no mercado de smartphones? Vale a pena migrar para os novos aparelhos? Já usa o Zenfone? Deixe sua opinião nos comentários!

22 de agosto de 2018

Superguidis - "3" (Disco da Semana #35)

Buenas, pueblo!

O tempo anda escasso (trabalho me consome), mas sempre encontro um jeito pra dar o ar da graça por aqui. Hoje, mais uma vez vamos de artistas nacionais ...

20180822_disco_superguidis

Nos anos 90, quando as primeiras bandas indie/alternativas aportaram por aqui via Brasil 2000 FM e Lado B (Mtv), nós as chamávamos de "guitar bands" devido ao principal elemento de sua sonoridade, as guitarras cheias de efeitos/distorções. E era esse esporro sonoro que nos colocava um sorriso bobo no rosto e nos encantava.

Vinte anos depois, em 2010, a gauchada da Superguidis retoma essa sonoridade em seu terceiro disco, de maneira categórica.

Produzido por Philippe Seabra (Plebe Rude), com mixagem do americano Kyle Kelso e masterização de Gustavo Dreher, o disco soa como um elo perdido entre a sonoridade shoegazer/lo-fi dos anos 90 e o atual indie rock, sem soar datado. Soam como filhos legítimos de ambas as gerações, um cruzamento de Dinosaur Jr e Yuck.

Com a mais clássica das formações roqueiras: 2 guitarras (capitaneadas por Andrio Maquenzi e Lucas Pocamacha, que ainda dividem os vocais), 1 baixo (Diogo Macueide) e 1 bateria (Marco Pecker), fizeram o disco que N bandas brasileiras teriam dado um braço para ter composto (inclusive esse que vos escreve).

image

Sonoridade incrível, produção afiada e ótimas letras (em português e tão diretas quanto um murro no nariz), mostram que o Superguidis deveria ter muito mais espaço (se houvesse justiça no mundo), mas como falamos de Brasil, em 2011, os caras colocaram um ponto final na banda sem o devido reconhecimento. Ficaram conhecidos no "mundinho indie" pelos shows incríveis, cheios de energia, pelas ótimas músicas e por construírem seus próprios pedais de efeitos (honrando com maestria o "do it yourself").

Muito pouco para uma banda que tinha tudo pra ser uma das maiores bandas do país, disparado.

Não conhece? Tá esperando o que? Clique aqui e ouça. Ouça ontem, ouça alto e me ajudem com a campanha #voltaSuperguidis.

Viagem garantida.

Logo menos tem mais

16 de agosto de 2018

Power Bank TP-Link Ally Series 15600 mAh (Análise de Produtos #13)

Em nossa análise de hoje, vamos conferir o Power Bank da TP-Link, modelo TL-PB15600, Ally Series.

Houve um tempo em que os celulares eram verdadeiros tijolos. Quem testemunhou o começo da telefonia celular aqui no Brasil, deve se recordar de modelos da Motorola como o PT-550 ou então o DPC-650. Eram grandes e pesados e também não tinham uma grande autonomia de bateria. Não era incomum ver pessoas carregando baterias extras para seu uso diário.

pt550

Os celulares evoluíram, assim como as baterias. Os modelos ficaram cada vez menores e com maior autonomia e chegamos a um momento em que os aparelhos eram minúsculos e sua bateria duravam dias a fio sem a necessidade de recarga. Um destaque daquela época era o modelo 1110 da Nokia… com uma autonomia de 380 horas em standby, o aparelho poderia ficar mais de uma semana longe da tomada, dependendo da sua intensidade de uso.

nokia1100

Os celulares continuaram evoluindo, ganharam novas funcionalidades e tecnologias e foi uma questão de tempo até que surgissem os smartphones.

celulares

Além dos smartphones, surgiram os tablets, os fones de ouvido sem fio, câmeras digitais e outros gadgets que necessitam de energia para funcionar.

Pensando em garantir a autonomia destes dispositivos surgiram os Power Banks que são pequenas baterias de alta capacidade que podem ser conectadas aos dispositivos, normalmente por um cabo USB recarregando-os.

tp_link_tl15600_04

Existem power banks de vários fabricantes e capacidades de armazenamento. Pensando na média de consumo atual dos dispositivos, power banks com capacidade mínima de 10000 mAh são os mais recomendáveis. E neste artigo, vamos analisar o modelo TL-PB15600 da TP-Link.

tp_link_tl15600

A TP-Link atua no Brasil já tem alguns anos e é bastante conhecida por aqui no segmento de redes e internet com seus roteadores e repetidores Wi-Fi, entre outras soluções.

Curiosamente, em seu site institucional brasileiro, não há menção para seus produtos na linha de Power Banks. Entretanto, você pode encontrar na loja oficial os modelos de 10400 mAh (TL-PB10400) e 2600 mAh (TL-PB2600). O modelo que está sendo analisado neste artigo (TL-PB15600) foi adquirido no Mercado Livre com Nota Fiscal e garantia do fabricante. Mas você não encontra nenhuma referência sobre ele no site.

[ Abrindo a caixa ]

A embalagem segue a tendência espartana do mercado de possuir apenas o necessário. Ao abrirmos a embalagem, temos, além do próprio Power Bank, um cabo micro USB (com terminais USB-A e micro-B) e um pequeno manual de utilização.

tp_link_tl15600_01

O aparelho é construído em plástico texturizado branco com detalhes em azul nas suas extremidades. O painel de portas apresenta duas conexões USB tipo A para conexão com dispositivos e uma porta tipo micro USB B para recarga do banco. Abaixo do conector micro USB, temos um LED que funciona como lanterna.

tp_link_tl15600_02

Em sua lateral, temos LED indicadores de carga e um botão que serve para checar a carga e também ligar e desligar a lanterna.

tp_link_tl15600_03

[ Especificações Técnicas ]

  • Modelo: TP Link TL-PB15600
  • Capacidade de armazenamento: 15.600 mAH
  • Entrada de Energia: DC 5V / 2.4A
  • Saída de Energia:
    • DC 5V / 2.4A (máximo por porta)
    • DC 5V /3A (combinado)
  • Interface:
    • 1 porta micro USB
    • 2 portas USB 2.0
    • LED indicadores de carga
  • Dimensões:
    • 61,2 x 22,4 x 150 mm (Largura – Espessura – Altura)
    • Peso de 344 g

[ Análise ]

O modelo da TP-Link é robusto, passando uma sensação de ser um produto resistente e confiável. O cabo USB pode ser considerado curto para algumas necessidades, o que significa que você não poderá levar o aparelho para cama por exemplo e utilizá-lo enquanto carrega.

Fica um pouco complicado também falar ao celular enquanto o aparelho está conectado ao carregador. Mas a não ser que sua bateria esteja extremamente fraca, nada impede de você desconectar o cabo para utilizar o aparelho.

A bateria é formada por células de polímero de Lítio. Isto confere uma melhor vida útil do dispositivo (cerca de 500 ciclos completos de recarga) e de acordo com o fabricante, a recarga completa leva apenas 5,8 horas.

Em suas especificações o fabricante informa que o aparelho conta com 6 níveis de proteção: contra curto-circuito, excesso de tensão, excesso de corrente, excesso de carga na bateria, proteção contra descarregamento e proteção contra aquecimento excessivo.

Além disso, as duas portas USB contam com circuito inteligente permitindo carregamento rápido de dispositivos e carregamento simultâneo.

Em meu uso, o aparelho tem servido muito bem ao seu propósito. Ele comporta perfeitamente 5 ciclos de recarga do meu aparelho celular (Moto G5 Plus) e funciona também como bateria externa para minha interface de áudio H4N da Zoom. Utilizei também para recarregar meus fones bluetooth de forma prática e rápida.

O ponto negativo talvez seja o seu peso. Mas considerando sua capacidade de carga, é natural que ele seja um dispositivo mais pesado. Não é nada que sobrecarregará sua mochila ou seu kit EDC (Every Day Carry).

[ Vale a Pena? ]

Se você é aquele tipo de pessoa que não tem horários muito bem definidos e costuma passar muitas horas longe de uma tomada, o TP-PB15600 é uma aquisição bem interessante para seus gadgets.

Custando cerca de R$ 140 na data deste review (valor médio), o aparelho é uma ótima opção que alia bom desempenho a um bonito design e que traz boas funcionalidades, como a recarga rápida e recarga de dispositivos simultâneos.

Mas e você? Tem uma opinião diferente? Usa outro Power Bank? Deixe sua opinião nos comentários!

14 de agosto de 2018

A cobertura do GP Magic São Paulo 2018

O evento já aconteceu a algum tempo e provavelmente a atenção da comunidade já esteja voltada para o próximo grande evento: o “Nacional Magic 2018”. Mas ainda assim, cobri o evento na época em que ele ocorreu, observei alguns pontos positivos e negativos que considero importantes.

20180815_ubqvisita_gpsp

[ Atualizado em 29/08/2018 ]

Estou incluindo o vídeo de cobertura do evento.

[ Sobre o evento ]

Um Grand Prix é como um grande encontro de jogadores de Magic. Obviamente há um torneio que serve como pano de fundo para o evento. Mas além do torneio principal, o GP é uma grande oportunidade para você conhecer novos jogadores, participar de pequenos torneios paralelos, comprar/vender/trocar cards e interagir com a comunidade de modo geral.

IMG_20180708_150833136

Lá você encontra estandes de grandes lojas (nacionais e estrangeiras), painéis de discussão sobre o futuro do jogo e também a presença de alguns ilustradores famosos. Para esta edição, estiveram por lá: Steve Argyle, Josu Hernainz e Ryan Yee. Ainda tivemos alguns fãs que fazem cosplay de alguns personagens famosos da história (sim… Magic tem uma história!). E você pode acompanhar tudo isso gratuitamente.

Enfim, o GP é uma grande celebração da comunidade.

Este ano, o evento foi realizado no Expo Center Norte (Pavilhão Amarelo) nos dias 6, 7 e 8 de julho. Havia uma previsão de cerca de 1500 participantes nos eventos competitivos. Mas de acordo com informações publicadas por alguns produtores de conteúdo especializados em Magic, foram contabilizadas mais de 3000 inscrições.

O evento principal consiste em um torneio no formato Modern e acontece em dois dias: no primeiro dia são 8 rodadas no formato suíço modificado. O corte para o segundo dia fica em 18 pontos e temos mais 7 rodadas. Os oito melhores fazem a disputa pelo título de campeão do GP. Existiu uma premiação em dinheiro para os finalistas, além de uma vaga para disputar o ProTour (que é uma competição do circuito profissional) para o campeão do GP.

A propósito, o campeão deste ano foi José Echeverria, jogando um deck Mardu Pyromancer… Parabéns ao campeão!

gpSãoPaulo2018_Day2_Champion

O evento principal precisou de uma inscrição. A inscrição básica custou R$ 165 e deu direito a participação no evento principal, além de uma carta promocional (no caso, Caverna Mutável ou Mutavault). O jogador poderia também fazer uma inscrição “master” por R$ 260. Neste caso, a inscrição incluiu um playmat exclusivo do evento e também um voucher de R$ 20 para usar em inscrição de eventos paralelos.

[ Eventos Paralelos ]

Além do torneio principal, durante todo o dia vários torneios paralelos são realizados nos mais diversos formatos: pauper, legacy, standard, commander, draft e sealed. A premiação destes eventos foi em “Tix”. Funciona assim: você ganha um tanto de Tix e troca este valor em prêmios no “Prize Wall”. São boosters, bundles, playmats, boxes… enfim… cacarecos diversos de MTG.

IMG_20180708_151133563

Ah sim… é importante dizer que você também poderia sentar em alguma mesa livre por lá e jogar um bom “for fun”. Sem prêmios, sem torneios… apenas pelo jogo.

[ Estandes dos artistas ]

Além dos torneios, quem foi ao evento pode conhecer ilustradores dos cards de Magic. Na verdade, é uma oportunidade deles faturarem algum dinheiro, pois os autógrafos são pagos. Por R$ 10, o jogador teve a oportunidade de conseguir uma carta autografada. Alguns dizem que isto valoriza as cartas. Outros dizem que isto desvaloriza o card.

IMG_20180708_150909087_HDR

Pessoalmente? Não tenho opinião sobre isso…

Outro estande bacana que estava por lá é da Tutti Waka Laka. Um trabalho bacana de personalização de cards que vale a pena conhecer.

altered card

[ As lojas ]

Algumas lojas que patrocinaram o evento montaram seus estandes por lá.. o bom disto é que normalmente dá para conseguir alguns cards por uns preços bem bacanas. Além das lojas, era possível encontrar alguns dealers por lá. São negociantes de cartas que não têm loja própria, mas ganham algum dinheiro com compra e venda de cards. Tecnicamente, isto é proibido no evento (apenas as lojas credenciadas poderiam comercializar cards e acessórios), mas de certa forma, a organização fez vista grossa para isso.

IMG_20180708_150044613
Não… não tem merchan… foi a única loja que me autorizou a fotografar

[ Pequeno review do evento ]

O UBQ esteve no evento apenas para conferir a estrutura e produzir conteúdo por lá. A ideia era produzir vídeos para o canal e eventualmente conteúdo para um podcast. Comparado ao evento de 2017, a impressão é que o local do evento encolheu. Em compensação, o número de jogadores aumentou consideravelmente. No evento principal, foram quase 1500 jogadores. Somando os inscritos nos eventos paralelos, foram mais de 3000 jogadores. Sem contar a galera que foi lá pela diversão.

Considero um erro estratégico posicionar o GP em um final de semana bem na época da Copa do Mundo e também no mesmo final de semana em que ocorreu a Anime Friends. Talvez em outra data, o número de jogadores seria ainda maior.

Eu estive lá no domingo. E já estava cheio… Quem esteve no sábado, disse que o pavilhão estava lotado. Isso causou problemas na praça de alimentação, na utilização dos sanitários e outras questões de infra-estrutura. Então talvez o lugar pudesse ser maior e melhor dimensionado.

Outro problema foi a falta de produtos para premiação e eventos. Faltou booster, faltou box… e alguns eventos paralelos foram cancelados por conta disso. Mesmo assim, o evento cresceu em números quando comparado à 2017. E isso trouxe talvez um problema para organização: ao que parece, a organização não esperava um crescimento tão consistente. Por conta disto, houve um desabastecimento no prize wall.

A organização do evento ficou por conta da loja Channel Fireball, que aliás, é responsável mundial pela organização dos GP’s. Apesar desta centralização, a CFB foi coerente em firmar parcerias com os organizadores locais para realização do evento.

Mas aparentemente, ninguém contava com um sucesso tão grande.

Eu confesso que nenhum destes problemas me afetou. Como eu disse, fui pelo evento… não pela competição. Então, o que vi foi a parte boa. Teve gente que achou caro o preço dos eventos… mas sinceramente? O preço das inscrições era compatível com valor das premiações.

Mas houve uma parte ruim… pelo menos para mim.

[ A panela dos criadores de conteúdo de Magic ]

Na edição de 2017, a organização do evento promoveu um estande dos criadores de conteúdo… Youtubers teriam um espaço próprio para interagir com sua audiência. Eu mesmo pude aproveitar isso e conhecer pessoalmente algumas pessoas que acompanho pelo YouTube… canais como Umotivo, Fazendo Nerdice, Diário Planinauta, Formato For Fun, entre outros.

Para 2018, a CFB não abriu este espaço de interação. E por conta disso, cada criador de conteúdo fez sua produção individualmente. Mas é um fato… esta galera já se conhece há algum tempo e de alguma forma colaboram entre si para a produção de seu conteúdo.

Esta comunidade é bem ativa… e por conta disso, a Wizards Brasil acaba promovendo mais estes conteúdos.

E a parte ruim… em alguns momentos é uma comunidade bem fechada. Você até pode entrar nela… mas precisa de convite para isso.

O conteúdo do UBQ não é exclusivo de Magic… isso é um fator que acaba complicando. O fato de eu não ser um jogador competitivo que está em várias lojas ou que conhece a fundo o lineup das cartas também complica.

Sendo assim, os criadores de Magic não dão muita bola para o conteúdo do UBQ. Eu até tentei me aproximar de alguns deles, mas, ou fui solenemente ignorado ou fui visto mais como um fã do que como um criador de conteúdo.

E isto refletiu na cobertura do evento também. Estou esperando até hoje uma resposta sobre os questionamentos que fiz à organização do evento sobre os problemas que foram citados.

Pena…

Pena mesmo…

[ Balanço Geral ]

Seja como for, eu consegui fazer uma cobertura bacana… entrevistei dois jogadores profissionais: Matheus Akio Yanagiura, também conhecido como “Sandoiche” lá na Liga Magic, que participou do evento principal ficando no top 16.

VID_20180708_183344094.mp4_snapshot_06.54_[2018.08.06_18.25.53]

Entrevistei também o Carlos Eduardo Yamaue Romão, também conhecido como “Jabaiano”, campeão mundial de Magic no ano de 2002. Ele também foi campeão mundial da versão on-line em 2015. Ele também é o atual campeão brasileiro, tendo vencido o nacional de 2017.

VID_20180708_185334065.mp4_snapshot_00.21_[2018.08.06_18.34.07]

Produzi conteúdo para o canal UBQ TV com os dois e também com o Bruno Dias, do canal Benália TV. Em breve publicarei os vídeos.

O próximo evento será o Nacional 2018. E ele será realizado no mesmo local do GP de 2017. Estaremos por lá para fazer a cobertura também.

No geral, saímos de uma cobertura bastante improvisada no ano de 2017 e fizemos uma cobertura mais abrangente em 2018. Vamos trabalhar para melhorar em 2019, combinado?

Não foi um evento perfeito… mas não foi um evento ruim. Foi divertido.

Você esteve no GP? Jogou algum evento? Conta pra mim a sua experiência!

8 de agosto de 2018

Radiohead - "In Rainbows" (Disco da Semana #34)

Buenas,

Estamos de volta e antes de qualquer coisa, queria pedir desculpas por mim e pelo nosso senhor editor pelos atrasos nas resenhas. Estou fazendo de tudo para que elas saiam dentro do prazo proposto pela coluna, semanalmente. (NOTA DO EDITOR: A maior parte da culpa cabe ao editor que atrasa a publicação dos textos. Briguem com o editor, não com o colunista, combinado?)

Desculpas a parte, vamos ao que interessa? A resenha de hoje é de uma das minhas bandas de cabeceira ...

20180808_disco_radiohead

O que fazer quando você já experimentou de tudo na música e ainda busca pelo novo, pelo inusitado? Essa pergunta deve permear a cabeça de Thom Yorke e da rapaziada do Radiohead o tempo todo, e deve ter sido a base para a composição de seu sexto álbum de estúdio, o genial "In Rainbows".

Musicalmente falando, é uma síntese de todas as fases da carreira dos caras. Do experimentalismo eletrônico (da fase "Kid A" e "Amnesiac") em "15 Steps", passando pelo esporro e guitarrístico (da fase "Pablo Honey") em "Bodysnatchers" e pelas fases deprês existencialista (de "The Bends" e "Ok Computer") em "Nude" e "All I Need", tudo aqui é feito com a magistral competência Radioheadiana.

Está tudo no seu devido lugar, as guitarras do Johnny, as vozes do Thom e do Ed, o baixo pesado e cavernoso do Coz e a batera econômica do Phil.

20180808_radiohead

Se tudo corre pelo certo, qual a diferença e genialidade desse álbum pros outros? A forma de distribuição. Isso mesmo. Eles colocaram à época o álbum para ser vendido em seu site e cada um pagava o que achava justo. Claro que havia um valor mínimo, mas a ideia em si já foi revolucionária e o álbum vendeu muito mais que o esperado.

E independente de quanto se pagasse, esse álbum vale cada centavo. Parece uma coletânea de tanta música boa. É um disco desigual, alterna momentos mais introspectivos com momentos mais alegres, mas tudo na medida certa, nem deprê demais, nem feliz demais. Uma meia estação. Aquele clima típico inglês. Não conseguiria indicar uma ou duas músicas, ouça tudo, de preferência com bons fones de ouvido. A experiência é absurda.

Não a toa o Radiohead é abanda mais genial de sua geração, se reciclam, se reinventam a cada novo disco. Longa vida a Thom Yorke e cia. Disco mais do que recomendado, esse é daqueles que mudam vidas.

Para ouvir, acesse aqui.

Logo menos tem mais.

1 de agosto de 2018

Copa de 2018 e entrevista com Thiago Uberreich (Um Papo Qualquer #27)

E é com muito orgulho que está no ar  mais um episódio do podcast “Um Papo Qualquer”!

vitrine_027

[Sobre o episódio]

E depois de tantos dias falando sobre a Copa do Mundo, chegou a hora de fazer a nossa despedida da Rússia. Neste novo episódio do podcast Um Papo Qualquer, fiz um grande resumo desta copa do mundo. Você que acompanhou a cobertura do UBQ para esta copa do mundo, sabe que o UBQ publicou resenhas de minha autoria e crônicas de autoria do Michel Vieira. Publiquei também uma série de vídeos no UBQ TV, canal do YouTube,  e ensaiamos publicações diárias do podcast. Mas os áudios que gravei ainda estão inéditos. Na verdade, publiquei apenas os quatro primeiros da série.

Bom… apesar de ter feito a captação de áudio de todas as rodadas até o final das oitavas-de-final, não houve tempo hábil para a edição e posterior publicação.

Mas os áudios estão lá, e eles poderão aparecer aqui a qualquer momento, combinado?

Enfim, para este episódio, além deste resumo da copa, aproveitei para esclarecer algumas mudanças de planos na cobertura do evento. Estava previsto fazer uma cobertura em parceria com outros podcasts, mas em razão de algumas decisões, isto não foi possível. Isto está melhor explicado no programa.

Pude também falar um pouco sobre a questão do jornalismo. Uma área – que da mesma forma que a medicina – me entusiasma e acaba se tornando minha opção. Estou trabalhando arduamente em um projeto para buscar uma posição na área do jornalismo.

Jornalismo… quem diria, não é mesmo?

E para fechar com chave de ouro esta cobertura – e também indo em direção a este sonho do jornalismo - pude entrevistar o jornalista Thiago Uberreich, âncora do Jornal da Manhã da Rádio Jovem Pan. Tive uma conversa muito legal sobre sua carreira, a profissão de jornalista e é claro sobre o seu livro “Biografia das Copas”, lançado em 12/06 deste ano. Um livro obrigatório para qualquer um apaixonado por futebol.

IMG_20180709_110943053

Aproveitando o momento da entrevista, pude conhecer a rádio Jovem Pan. O Thiago foi muito gentil e após o nosso papo ele me mostrou as dependências da rádio Jovem Pan. E o que posso dizer? Fiquei encantado!

IMG_20180709_114157271
Redação da Jovem Pan

IMG_20180709_115301392
Estúdio de gravação

E é claro que ao final da visita, eu ganhei meu autógrafo!

IMG_20180709_113502684
Thiago Uberreich autografando o meu exemplar do “Biografia das Copas”

A visita à Rádio Jovem Pan ainda será tema de um outro programa, vídeo, texto, enfim… mas adianto que foi uma visita sensacional…

IMG_20180709_114424802
“Ninguém faz sucesso sozinho” é o que está escrito no logo da Jovem Pan

Ainda vamos falar muito sobre jornalismo por aqui…

IMG_20180709_120224264
Visita sensacional!

E se você quiser adquirir o livro do Thiago, ele está disponível em grandes livrarias como a Martins Fontes lá na Avenida Paulista. Você também pode comprar o livro direto na Amazon através deste link aqui.

[ COMPRE O LIVRO “BIOGRAFIA DAS COPAS” ]

image

  • “Biografia das Copas” de Thiago Uberreich
  • ISBN: 9788593934070
  • 1ª Edição, 333 páginas, publicado em 2018
  • Editora Onze Cultural

[Ficha Técnica]

[Nome do episódio] Copa 2018, Jornalismo e um papo com Thiago Uberreich
[Publicação Original] 01/08/2018 - [Duração] [1:58'40"]
[Formato] MPEG-1/2 Audio Layer 3 (mp3@128kbps)
[Músicas] - intro: "Funky Suspense" by Bensound; abertura: “Ocean” by "Erhling; "Come Home" by Declan DP; "Prelude" by The Fat Rat; “Live It Up” by Nicky Jam, Will Smith & Era Istrefi; “Ode to Joy” by Beaker from Muppets
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...